Aniversários via Facebook

Aniversários via Facebook

Não é a primeira vez que vejo pessoas montando eventos de aniversário no Facebook, chamando 300 pessoas e depois reclamando que “apenas” 10 compareceram. Sem contar as inúmeras indiretas postadas como tiros para os convidados que não foram. O pior é que em 99% dos casos me sinto inclusa nessas indiretas, pois quase nunca compareço e assumo isso.

Isso me fez pensar. Faço aniversário em Janeiro, mais precisamente no dia 4, para quem não sabe o que é isso, no meu caso, são 27 anos de aniversários sem festa garantida, sem amigos por perto,  justamente por estar em período de férias, logo após o ano novo, logo após as festas e todos geralmente estão viajando ou distantes por algum motivo, até mesmo os meus familiares. Sem contar que no começo de Janeiro muitas das baladas estão fechadas o que diminui ainda mais as possibilidades de festas. Se eu fosse colocar no papel todas as pessoas que não compareceram em algumas dessas minhas tentativas de comemoração, e excluísse elas da minha vida (por este motivo banal) eu provavelmente teria hoje no máximo uns 3 amigos por perto. Este ano por exemplo, comemorei longe de todos, pois eu mesma viajei, porém tive o prazer de ter uma festa preparada pelo meu namorado junto com o que parece que será a minha mais nova família e com a presença de um casal de amigos muito queridos que me fizeram a surpresa de aparecer por lá. Sem palavras por essa atitude, não só pelo amor depositado em mim vindo de todos eles, mas também porque realmente não estou acostumada com isso.

Para encurtar o desabafo, não consigo entender como certas pessoas medem a amizade dos outros por comparecimento, ainda mais com eventos criados via Facebook. Me desculpem, mas não me sinto lisonjeada por ser convidada para um aniversário com 300 convidados em um bar ou em uma balada. Esse tipo de convite, por mais amigo que seja, me deixa a abertura de optar por qualquer outro programa.

O que aconteceu com o bom e velho telefone? Pessoas que fazem questão da sua presença, se esforçam para que você compareça. E por outro lado, comparecer ou não a uma festa, não faz de você mais ou menos amigo. Cansei de negar convites desses eventos, sem precisar me justificar, mas isso não me faz gostar menos da pessoa.

Você já parou para pensar que ninguém tem a obrigação de aceitar um convite? Você pode simplesmente não querer ir e pronto. Não entendo o grande drama disso tudo.

Me intriga o fato de hoje um convite direcionado a 100 ou 200 convidados e todos eles serem considerados “amigos” a ponto de terem que aguentar indiretas pós evento caso não compareçam. Realmente o mundo está ao contrário. Ainda acredito naquela velha frase que diz: “ meus amigos eu conto nos dedos.” E no meu caso se encher as duas mãos é muita coisa.

Amigo quando é verdadeiro vai te dar o ombro, a mão e o braço inteiro se você precisar, independente de convites e festas. Tenho amigos que não vejo todos os dias, não encontro todo o final de semana e muito menos falo diariamente. Porém, sei que estou segura justamente pelo fato deles existirem, deles estarem lá para quando eu precisar.

Acho o Facebook uma ferramenta incrivelmente ótima em todos os sentidos, o tipo de coisa que hoje não vivo mais sem. Mas as pessoas precisam aprender a ponderar, ponderar muito o que andam julgando por ai. Prefiro passar o dia com um ou dois amigos, somente falar no telefone ou até mesmo permanecer em pensamento, do que cobrar a presença de 200 pessoas num lugar que serei uma só.

 

P.S.: Só para constar, antes que me processem (hahaha) isto não aconteceu comigo recentemente e não se trata de nenhuma indireta. Escrevi depois de uma história que ouvi por ai e acompanhei. E só.