A polêmica das Fraldas de Pano Modernas!

A polêmica das Fraldas de Pano Modernas!

Você sabia que uma fralda descartável demora 450 anos para se decompor? Fazendo uma conta rápida, tendo como base a expectativa de vida do brasileiro divulgada pelo IBGE em 2015,  de 75,2 anos, precisaria de no mínimo 6 gerações para que uma fralda descartável descartada sumisse do planeta. Isso mesmo, 6 gerações!

A grande maioria das pessoas quando falo “fralda de pano” imagina aquele pano branco esticado no varal, tudo branquinho preso com alfinetes. Mas gente, o mundo evoluiu! As fraldas de pano hoje são chamadas de: fraldas de pano moderna. E são exatamente essas ai da fotinho do post. Elas não precisam de alfinete, elas acompanham seu filho até o desfralde, além de lindas e totalmente adaptáveis para cada bebê.

Além da praticidade e consciência uma coisa que me fez optar pelo uso foi o alto índice de alergias que as fraldas podem causar e também o fato de pensar “Se eu não aguentaria usar um absorvente todos os dias por 3 anos, por que eu teria que fazer isso com o bebe?”. Fiz esse post para tentar “desmistificar” essas fraldas, elas não são um bicho de 7 cabeças e sei que a desconfiança de muitos não vai acabar, por isso que antes de criticar é bom se informar!

 

– Ahh mas Renata, as fraldas de pano (modernas) gastam água e luz, também né? (Os palpiteiros em ação).

Sim, gastam! Claro que essas fraldas vão consumir recursos naturais como a água e luz na mesma hora que você for lavar as roupas, porém nada comparado com o estrago ambiental que uma fralda descartável tem desde o início da sua produção até o descarte.

 

– Hum…

Pois é, o mesmo cuidado que devemos ter com as nossas roupas na hora de lavar, como esperar encher a máquina e tudo mais é a mesma consciência na hora de lavar as fraldas.

 

– Nossa, mas quero só ver você lavando essas fraldas! (é duro ter que ouvir essas coisas viu?)

Bom, vamos lá, você não tem que lavar as roupas do seu bebê? Estejam elas sujas de papinha, de xixi, de vômito de cocô, ou limpas? Então, funciona da mesma forma. Ou você não lava? Para você entender melhor, a fralda de xixi depois de usada você armazena ela dentro de um balde tampado até a próxima lavagem. Se tiver cocô, você joga o excesso do cocô no vaso sanitário e só juntar com as outras até a próxima lavagem. E o sabão? É o mesmo que você usa para as suas roupas.

 

– Mas e os vazamentos?

Ué, fralda descartável não vaza? Que fralda é essa que nunca vi? Os vazamentos são exatamente os mesmos de uma fralda descartável, podem acontecer, como não podem acontecer, isso vai de cada bebê, o fluxo dele, a diferença é que você pode adaptar a fralda deixando ela mais “forte” para segurar os vazamentos sem ter que comprar um monte de marca diferente e testar.

 

– Mas uma fralda de pano custa em média R$40,00! Não compensa!

Compensa sim senhora! Estima-se que uma criança de 0 a 3 anos usa em média 5.000 fraldas descartáveis, ou seja R$ 5.500,00 (fazendo uma conta bem modesta) e sem contar pomadas e afins (pois a fralda de pano não necessita pomada em 98% dos casos). Para uma criança de 0 a 3 anos você precisa de no máximo 30 fraldas de pano modernas, em média R$ 1.500,00. Já contando o valor de fraldas e os absorventes. Uma boa economia não? Quanto a energia elétrica e água funciona assim:

  • Considerando 36 meses de consumo (lavando as fraldas a cada 2 dias) umas 15 por mês, sendo 15 fraldas por lavagem, na lavadora Eletrolux Turbo ECOnomia de 8 kg de capacidade.
    • Consumo água sem lavagem de fraldas em 36 meses: R$ 1.030,32
    • Consumo água com lavagem de fraldas em 36 meses: R$ 1.118,16
    • Consumo energia sem lavagem de fraldas em 36 meses: R$4.390,56
    • Consumo energia com lavagem de fraldas em 36 meses: R$ 4.598,28

Comparando o custo das fraldas + consumo de energia elétrica e água:

Enxoval + custo de energias renováveis durante 36 meses:
R$ 1.824,50 + R$ 87,84 (água) + R$ 207,72 (Energia Elétrica) = R$ 2.120,06

Fraldas descartáveis em 36 meses:

R$ 4.920,00 jogados no lixo
1 tonelada de lixo descartada incorretamente
5 árvores derrubadas
Milhões de litros de água para serem fabricadas
Muitos KWh consumidos.

(dados do blog “Chikita Bakana)

– A fralda é fedida, quando você estiver fora de casa como funciona? (única pergunta sensata que ouvi de todas)

Essa foi a única pergunta sensata que ouvi, da minha cunhada que por sinal é uma das únicas (se não for a única) que apoia e respeita a minha decisão. Ai fui atrás da resposta pois me preocupou, já imaginou andar com uma fralda fedida por ai? Ainda mais quando fralda suja é jogada no lixo comum fica um cheiro horrível e a de pano não dá para descartar! Fui atrás das respostas, fiquei sabendo que existe um saquinho impermeável (que já temos por sinal) que você armazena a fralda lá quando estiver fora. Ele é feito justamente para isso, para o cheiro não escapar, diferente de sacolinhas de mercado que deixam “suar” e o cheiro passa. Ou seja! Tem solução para tudo, tudo isso já foi pensado!

 

Ao longo dessa escolha já ouvi todo tipo de comentário como: “pago pra ver você lavar fralda!” ou “quero só ver quando seu filho fizer um cocô até o pescoço”. O que eu digo para essas mães é o seguinte: quando seu filho faz cocô até o pescoço o que você faz? Larga ele lá sujo? Pois a impressão é essa! Se meu filho fizer (e sabemos que vai fazer), pretendo limpa-lo, trocar de roupa e lavar a roupa suja de cocô e a fralda também! Queria muito entender o que essas mães fazem de tão especial quando isso acontece! Não limpam o filho? Jogam a roupa fora? Esperam alguém pra dar banho? Vai entender…

Agora eu que pergunto: e aí? Qual defeito você irá por agora? Eu fiz o meu dever de casa! Me informei, fui atrás, conheci pessoas que usam e amam e optamos por usa-la e estamos nos informando da melhor maneira possível. Se você não tem conhecimento, não conhece, nunca viu ou nunca conviveu com ninguém e quer opinar, tem algo errado ai. Ou seja, antes de criticar, se informe!

bebe-sem-lixo-zero-fraldas-de-pano-varal

Grávida e Gordinha, sim senhora!

Grávida e Gordinha, sim senhora!

Vou começar contando um pouco da minha infância há pelo menos 20… ao longo dos 12 anos que vivi na presença da minha mãe, vi ela passar por diversas fases de peso, umas épocas mais magra, outras mais gordinha e sempre, sempre sempre sempre lutando contra a balança, fazendo dietas, algum tipo de ginástica, lipo, massagens, tudo que vocês possam imaginar. E nessa época nunca precisei me preocupar com o peso, afinal 12 anos ainda era uma criança que só queria brincar e aprontar.

Hoje, aos 30 anos, sinto na pele um pedaço do que minha mãe viveu, diante de todas essas tentativas frustadas você pode imaginar o quanto ela deve ter sofrido com isso, claro que para mim nunca deixou parecer, mas hoje sei o esforço que ela fazia e o quanto sempre foi difícil alcançar o que o mundo aqui de fora considera “ideal” para você ser aceita.

Não me lembro ao certo quando que comecei a reparar e me preocupar com isso, na verdade sempre me preocupei mas nunca tive uma vontade 100% de querer mudar, optei pela minha felicidade do que pela minha preocupação. E graças a Deus, estou com 30 anos e nunca tive nenhum tipo de problema ou alteração por conta disso. Obvio que sou gordinha, já não me lembro da minha última fase magra, ou melhor “dentro dos padrões” alheios, mas posso garantir que minhas preocupações e minha felicidade da de mil em qualquer blogueira ou pessoa que vive pra malhar e comer mato. Isso ninguém paga!

Mas tem uma coisa que não sai da minha cabeça…temos aquelas fases da vida, primeiro são as festas de 15 anos, depois as baladas, depois as formaturas, os casamentos, a gravidez… SIM! OLHA A GRAVIDEZ AI DE NOVO! E assim como todas as outras fases, algumas amigas passam antes, outras junto com você e outras depois. Mas jamais vou esquecer o que uma vez fui obrigada a ouvir.

Conversando com uma pessoa há uns 2 anos atrás (amiga por sinal), essa pessoa deu entender que “eu não deveria ser uma mãe gorda” caso eu quisesse um dia engravidar. Ainda falou com todas as letras “não acho bonito uma mãe gordinha como fulana de tal, e você?” sim, rolou até comparações e me lembro claramente de ter dito que no meu caso era meio impossível. Afinal das contas, tinha ainda tenho outras preocupações na cabeça como trabalho, pagar aluguel, família, empresa e etc…. Provavelmente na época eu devia estar fazendo alguma dieta ou alguma coisa do tipo e por isso esse assunto do tamanho do corpo surgiu. Mas nunca vou esquecer de tamanha comparação e preocupação com a vida alheia que esta pessoa tinha. Alguns anos depois, comentei com uma grande amiga sobre esse assunto e ela me disse uma frase que não vai sair tão cedo da minha cabeça: “Tenho certeza que meu filho não me trocaria por nenhuma mãe magra, que ele prefere mil vezes a mãe gordinha dele.”. SIM! Não tenho dúvidas!

E indo mais longe, tenho certeza que meu marido não me trocaria por nenhuma magrela, tenho certeza que minhas amigas não me trocariam por nenhuma amiga mais magra e tenho certeza mais do que absoluta que meu filho jamais optaria por uma mãe magra e neurótica que só serve pra postar foto no Instagram a ter uma mãe gordinha, feliz, satisfeita e divertida!

Jamais vou entender essa necessidade de criticar ou machucar a outra pessoa, que esse post sirva de lição para essa e outras pessoas que se acham superiores por conta de um corpo bonito, mas que lhes falta caráter. Coitada das crianças criadas nesse meio, onde vão parar e como vão agir diante do diferente.

Se na época que minha mãe era viva, tivesse 1% desse movimento feminista que tem hoje e eu soubesse metade das coisas que sei, diria para minha mãe: “Mãe, você é maravilhosa do jeito que você é e não trocaria você por ninguém nesse mundo!” ou “Ninguém vai ter amar menos pelo tamanho do seu corpo!”. A felicidade está além do corpo e eu estou aqui para comprovar isso e de repente poderíamos encontrar essa felicidade juntas. Aprendi a me amar do jeito que sou, gorda, magra, no efeito sanfona esse é o primeiro passo para não se ofender, sou a primeira a brincar com as minhas limitações, sou a primeira a ser realista comigo mesma, mas nunca de um lado ruim ou pra tentar esconder qualquer dor, pelo contrário, sempre pensando no quanto sou amada pelas pessoas ao meu redor, faço as pessoas felizes e sou feliz. E que com certeza farei de tudo pra ser uma mãe maravilhosa que ensinará todos os valores para o meu filho, inclusive que tamanho não é documento de absolutamente nada quando se tem um coração maior que o mundo.

Que as pessoas consigam enxergar além do próprio nariz e deem pros seus filhos a oportunidade de viver em um mundo melhor! E que minhas amigas, leitoras, mães, futuras mamães se sintam confortadas e saibam que a gente deve se amar do jeito que a gente é. E onde é que minha mãe esteja, espero que ela já saiba de tudo isso! <3

Como descobri que estava grávida?

Como descobri que estava grávida?

Aquela história que todo mundo pede para ouvir, principalmente quem não tem filhos ou não pretende ter e quer saber todos os sintomas para ter certeza que não está!

Quem conhece meu marido sabe que ele sempre quis ter filhos e quem me conhece sabe que eu nunca quis, nunca foi meu sonho e nem meu desejo ser mãe. São razões minhas e infinitas que agora não fazem mais sentido expor. E estávamos felizes com essa escolha, planejando morar com muitos cachorros pro resto da vida. Porém há pelo menos 1 ano e meio eu já não usava mais anticoncepcional, não foi a primeira vez que parei, já fiquei 3 anos sem usar, também por questões pessoais e não por que mudei de ideia e queria ter filhos, não queria mais ter hormônios me controlando e ter mais controle e conhecimento sobre o meu próprio corpo nesta área os argumentos são tantos que não sei nem por onde começar, mas hoje não tomo absolutamente nenhum hormônio. Sou do tipo de pessoa que não consegue fazer um tratamento a base de remédios por muito tempo, tomar remédio me incomoda profundamente.

Então veio a cegonha e…

Não é bem assim né? Poderia contar um milhão de histórias de como aconteceu, mas essa parte vocês já sabem, então vamos ao decorrer da história. Eu sempre marquei meu ciclo em um app chamado “CLUE”, também não acredito em tabelinha, em temperatura e bla bla bla, apenas marcava para saber o dia exato que meu ciclo ia aparecer e ele sempre aparecia. Sempre fui muito regulada. Até que… em Agosto achei que “por preguiça” não tinha marcado a data do meu último ciclo e fiquei esperando pra ver se lembrava. Então cheguei a conclusão que em Agosto eu tinha menstruado e que realmente esqueci de marcar no app (nessa hora nem passou pela minha cabeça gravidez) e então chegou Setembro, foi neste mês que queria saber o dia certinho que viria meu ciclo, porém eu não lembrava por nada. Então, por insistência de uma grande amiga (oi, Paula!) fui na farmácia e comprei um teste.

Eu estava tão certa que não estava grávida, que era besteira, que comprei um teste no meu horário de almoço e fiz no banheiro da firma, assim, sem cerimônia e sem contar pra ninguém. Até que… DEU POSITIVO! Sai de lá correndo, peguei minhas coisas, sem muita explicação e fui embora (coitado do meu sócio que ficou hiper mega preocupado), mas eu estava tendo um ataque de pânico, o que nunca havia tido antes na vida. Na volta para casa, desesperada e não satisfeita ainda comprei mais 2 exames (negação total), todos positivos, inclusive fiz questão de comprar um mais caro e outro mediano, pois não botei fé no baratinho que deu positivo mais cedo.

Não satisfeita ainda (pois é) ainda pedi para minha amiga (oi, Nadia!) me levar para o hospital para fazer o Beta HCG e recebi a notícia que mais verdadeira impossível naquela altura do campeonato, era positiva. O médico comemorava, a Nadia comemorava e eu catatônica. Nessa época já estava grávida de pelo menos 1 mês, hoje estou com 18+.

É tanta coisa que passa pela nossa cabeça, “e agora?”, “como vai ser?”, “e o trabalho?” (afinal tenho uma empresa e ela precisa de mim pra existir), “não vou emagrecer mesmo agora!” (sim, isso passa pela cabeça de toda gordinha, não podem negar! kkk). Não tive aquela reação esperada que todo mundo quer ouvir, fiquei literalmente catatônica e demorei algumas semanas, sim semanas, para absorver tudo que estava acontecendo e como seria nossa vida daqui pra frente. Um mix de ansiedade com nervosismo… hoje a notícia já está mais do que clara e aceita, e amo meu filho mais do que tudo nesse mundo, mas a ansiedade e o nervosismo caminham lado a lado. É muita, mas MUITA coisa para absorver, mas é um sentimento incrível. Graças a Deus o Beto é um marido que me ajuda em absolutamente tudo e minha família está do meu lado com os braços estendidos para nos ajudar, isso ameniza um pouco as preocupações.

Agora voltando um pouco para o “eu não sabia que estava grávida” mas já estava há um mês, como poderia adivinhar? Eu jamais iria imaginar, mas estava exatamente com todos os sintomas possíveis de uma gravidez, mas nunca estive grávida antes para poder confirmar!

  1. Sono e cansaço IMPOSSÍVEIS de controlar: sou ligada no 22ov e não conseguia levantar do sofá para beber água, ou apertar o botão da máquina de lavar;
  2. Enjoos: estava tendo uns enjoos muito esquisitos, mas como sou enjoada por natureza achei que fossem “novos enjoos”
  3. Seios: os seios estavam enormes! Mas como eu estava esperando minha menstruação chegar, sempre achei que fosse por que ela chegaria;
  4. Cólicas: eu estava tendo umas cólicas muito estranhas, como “mini cólicas” em dias diversos;
  5. Atraso Menstrual: dããã

Agora estamos aqui, com um bebêzinho crescendo dentro de mim que chamará Bruno. Muita coisa mudando por aqui, muitos desafios, muita preocupação mas é uma nova fase e está sendo tudo muito positivo (tirando a parte dos enjoos que duraram 4 meses e as enxaquecas que voltaram a aparecer), mas não vejo a hora dessa fase começar para valer quando ele estiver nos nossos braços. Já tive tempo mais do que suficiente para estar amando essa ideia, mas do meu jeito “estranho de ser”, não curtindo muito as coisas “tradicionais” da vida (por exemplo: chá de bebê, chá de revelação…).

E tem o bichinho também que morde as mães e vem essa vontade de escrever, mas acho que descobri que é por que é tanta coisa nova, tanta experiência que da vontade de registrar para nunca mais esquecer. =)